sexta-feira, 25 de junho de 2010

Deixe Cameron partir...

Essa é uma das frases mestre do clássico Curtindo a vida adoidado, quando o próprio Cameron faz questão que seus amigos o deixe morrer, pois prefere isso a acompanhá-los nas aventuras. Nosso querido Michael não disse, ao menos não ouvimos, mas, mesmo assim, tem o direito de partir.
Sem dúvida um artista e tanto, com uma linha de raciocínio pouco vista, ou até mesmo titulada como perfeccionismo, porém, não passando de responsabilidade, fidelidade e respeito consigo mesmo e com seus fãs. Ah, mas isso tudo incomoda, aborrece os menos favorecidos. O mundo não pode servir de refúgio aos ingênuos, aos crédulos, aos bons. Muito menos se esse indivíduo tiver sofrido. Ele deve responder à altura, na mesma moeda. Deve ser mesquinho, perverso, pedófilo, sociopata, psicopata,  cafajeste. Não pode falar manso, não pode ser portador de um dom, não pode ser sensível. Não pode tentar superar suas próprias fraquezas e se fazer de exemplo. Vira logo motivo de chacota, de questionamento.
E quando esse indivíduo se vai? Nossa, aí ganham todos. Os que apostavam a favor e contra. Quem realmente sente a falta? Quem verdadeiramente ama, encantou-se, a vida mudou, melhor se tornou, mesmo que tenha sido em função do visual e auditivo. Que nunca tenha ocorrido o tato, o olfato. Não precisa. Alguém me disse duas coisas a cerca de anjos, e uma delas é a seguinte: que somos capazes de reconhece-los quando diante de um. Mas isso não importa, pois o homem tem vocação para mendicância, e , aqui, meus caros, refiro-me a 4ª colocação do verbete, segundo dicionário Aurélio: procurar com minúcia, esquadrinhar. Logo, o que importa é que o óbvio não pode ser a resposta. Portanto, aquele ser nunca poderia ser um anjo. Tinha de ser alguém ruim que gostasse de se aproveitar do outro. Eu já estou perfeitamente acostumada com esse comportamento humano. Na minha humilde crença, vi que Deus esteve entre nós e foi apedrejado, arrastado, cuspido, ferido e humilhado. Poucos foram capazes de reconhecê-lo. Que vergonha. O que não fizeram, fazem e ainda farão com anjos, não é mesmo?
Só sei que hoje faz um ano que fomos privados da presença humana de um dos maiores acontecimentos do século: MICHAEL JACKSON.

3 comentários:

Arte e Café disse...

Olá Van.
Tem um selo pra você, foi uma entre os escolhidos. Parabéns pelo seu blog.
Aguardo você passar no Arte e Café para pegar o seu selo ok?
Abraços.

27 de junho de 2010 00:21

Gy Camargo disse...

Boa Noite Van.
Somente hoje tive coragem de assistir "This is it", que é o que estou fazendo no momento, sempre me perguntando: Why? (A música do ídolo que toca agora).
Aproveitei para visitar (e segurar o choro), e dar os parabéns.
Que "nêga" é essa? E que blog é esse? Maravilhoso!
Serei seguidora, e adorei tê-la como minha seguidora. É uma honra!
Abraços

Vivian Kosta disse...

Estou estupefata com o seu dom de descrever, em minúcias, algo tão grandioso. Lindo!!!!!!!!
Tenho certeza que MJ foi um anjo.